Resenha de Segunda – S.Darko – Chris Fisher

by

Depois de uma segunda atribulada cheia de trabalhos que infelizmente não tive tempo de trazer uma resenha para vocês, esta segunda voltamos normalmente com a resenha de S Darko, continuação de Donnie Darko, de Richard Kelly.

Quando Soube que a História de Richard Kelly ganharia uma continuação e não seria por suas mãos, eu sabia, com muita certeza, que não sairia algo bom, visto que um outro diretor/roterista representa uma outra cabeça, com outra vivência, e com uma outra visão sobre a história de uma outra pessoa, o foco da história principal seria comprometido, e foi.

Se Já não bastasse o roteiro raso de Nathan Atkins (Point of Entry, Cultivation), a direção amadora de Chris Fisher (diretor de alguns episódios de seriados norte americanos) chega a incomodar. O filme todo parece um enorme vídeo clipe, com closes sem sentido e cenas apenas musicadas que deveriam significar algo, mas não significam absolutamente nada para a obra final, mas vamos a história.

Samantha Darko (Daveigh Chase – The Ring), abalada com a morte do irmão e sem conseguir suportar o ambiente familiar desestruturado que se tornou sua casa, resolve fugir de casa aparentemente sem dinheiro, sem rumo, com sua amiga Corey, para o mais longe de Virgínia Possível. Neste momento já podemos nos perguntar o que de tão bizarro pode ter acontecido na vida desta menina devido a morte do seu irmão, mas isso não é explicado, nem sequer citado, Atkins quer que você entenda apenas que ele precisava de um ponto para começar o filme, e esse pareceu para ele – apenas para ele – um ótimo ponto para se iniciar uma História.

Samantha e Corey , vivida por Briana Evigan (Sorority Row) chegam a uma pequena cidade, após seu carro quebrar no meio da estrada, onde elas são resgatadas por Ed Westwick, o Chuck Bass do seriado americano Gossip Girl, que aparentemente não sabe fazer outra coisa além de Chuck Bass, e neste se filme se vê obrigado a fazer um empacotador de supermercado bad-boy que tem um carro importado e dinheiro para bancar pool partys em sua casa sempre que lhe der vontade. Logo somos apresentados a um leque de personagens clichês de filmes norte-americanos que Atkins acreditava que criariam para o espectador a atmosfera de cidade pequena onde todos sabem de tudo e julgam à todos, como a garçonete da única lanchonete da cidade, o mecânico que cobra caro por não ter concorrência, o típico pastor que veio se refugiar no meio do nada para esquecer seu passado sombrio, a beata que sofre de amores pelo pastor, mas tenta demonstrar um amor maior por Jesus, o Garoto Nerd, filho da familia aparentemente mais bem sucedida da cidade, e é claro, o louco da cidade que ninguém chega perto, neste caso IraqJack como a cidade prefere chamar o personagem de James Lafferty, que tenta, em vão, fazer a melhor atuação do filme. A cidade está abalada com o desaparecimento de duas crianças que foram misteriosamente sequestradas e que todos culpam IraqJack como feitor de tal ato, e esse é o começo da história, e a partir daí, tudo fica pior.

Fisher não se decide em qual prisma vai apresentar a história a seus espectadores, e deixa o ritmo do filme todo confuso, cometendo erros de continuismo (como a cena em que Randy – Westwitck – é agredido pelo nerd alterado vivido por Jackson Rathbone e cai estirado no chão, a cena muda, nada se explica e não vemos mais nada sobre tal acontecimento ou uma explicação do mesmo), fotografia dispensável, trilha sonora fraca e efeitos visuais meia-boca que não impressionam e só deixam a obra final apenas um pouco mais tosca. O personagem de Lafferty é uma espécie de Donnie, com suas visões e disturbio mental semelhantes ao protagonista do filme anterior e Samantha é apenas mais uma menina que dorme e acorda no meio do nada (nesta continuação, este fator se torna algo sem sentido algum, visto que Donnie era sonâmbulo porque era despertado por Frank, e Samantha não tem visões nesse filme, só no final, numa tentativa falha de dar algum sentido a personagem). O filme então fica num vai e vem de cenas com efeitos especiais simplórios e atuações porcamente executadas por atores mal dirigidos e nada é explicado.

Diferente de “Donnie Darko”, “S.darko” não é um filme que se completa como obra, necessitando de seu anterior para construir uma história decente. O diretor não explica os Wormholes, as Spears of destiny ou qualquer outra coisa que precise de explicação, como os meteoritos que caem do céu e criam erupções no corpo e visões do futuro nas pessoas que entram em contato com sua superfície. O filme termina sem dar uma explicação para o desaparecimento das crianças (elas são encontradas, mas apesar do espectador saber quem é o culpado, o diretor não se preocupa em definir o motivo do sequestro) ou qualquer explicação para qualquer outra dúvida que tenha surgido. S.darko não se sustenta como Filme e apenas como continuação, uma muito porca por sinal.

S.darko veio para mostrar que alguns filmes simplesmente estão perfeitos sem continuação, e que cada vez mais tentativas de lucrar em cima de algo que já deu certo uma vez, pode não dar certo de novo.

Thales de Mendonça.

Tags: , , , , , ,

3 Respostas to “Resenha de Segunda – S.Darko – Chris Fisher”

  1. Vitor Torres Says:

    eu quase comprei esse piratão pensando que fosse o classico Donnie Darko com uma capa diferente. rs… não sabia da continuação…

    não li o texto liico, pois ta com cara de spoiler. rs

    vou vero flime, depois eu leio e comento!

    abçs

  2. eraserhead Says:

    Você tem razão, esse filme foi feito para lucrar e nem se deram ao trabalho de elaborar alguma coisa com o mínimo de qualidade.
    Filme completamente desnecessário.

  3. Leandro Pelotinha Says:

    Qndo terminei de assistir Donnie Darko, fiquei parasilado por em media 30 minutos apos o filme acabar, sem desligar..somente na tela preta….Era “Eu” assimilando a estranheza e profundidade do que eu acabava de ver…
    S. Darko não causou 1/10 do efeito do longa anterior….ficou fadado a somente a viagem no tempo e a causa física dela…Simples como o Filme Premonição… Papapa se isso acontece…Pupupu se akilo acontece….
    Efeito Borboleta sofreu o mesmo com as tentativas de continuação apos o Intenso 1° volume…Triste qndo a produção cinematografia defeca em jóias como os Titulos citados…mto triste…

Deixe uma resposta para Leandro Pelotinha Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: