Archive for the ‘Mostras’ Category

Sessão Cine Morro apresenta filmes brasileiros na tarde de Sábado!

1 de julho de 2010

Há algum tempo queríamos mostrar algo bem brasileiro. Nada melhor que aproveitar esses tempos de copa do mundo. Então, o próximo Cine Morro vai exibir a partir das 16h de Sábado (dia 3) dois filmes nacionais. Com entrada gratuita, para uma tarde mais tranqüila e encantada no Museu da Caixa d’água Velha.

O primeiro deles é o curta Alphaville D.C dirigido por Paulinho Caruso, cineasta que já viabilizou vários dos seus trabalhos de forma auto-sustentável sem depender de verba pública pra dar sua contribuição ao cenário. Já dirigiu os Clipes “Cachaça” e “Semáforo” do Vanguart, ministrou a SEDA – Semana do audiovisual de Cuiabá e muito mais.
O filme se passa em meio a uma dissimulada guerra civil, um cowboy e um executivo acertam as contas do apartheid social brasileiro. Tendo como ponto de partida um seqüestro, o panorama da violência urbana é traçado com muito bom humor, em uma espécie de ficção científica sobre o terceiro mundo.

O segundo é “A Festa da Menina Morta” mostra ao mundo que Matheus Nachtergaele tem sim um grande potencial como diretor, ao mesmo tempo que mostra as deficiências de um diretor em sua estréia, mas é compreensível pois a vontade de mostrar um potencial há tanto guardado fica gravado em cada segundo desta história sobre a eterna dualidade do ser humano.
O longa metragem inédito, retrata a história duma comunidade ribeirinha que há 20 anos na Amazônia comemora a Festa da Menina Morta, festa essa que gira em torno de Santinho (Daniel Dantas), garoto que ficou conhecido quando recebeu da boca de um cachorro o vestido rasgado da menina desaparecida, e desde então recebe revelações da menina, que anuncia para os devotos no dia da festa.

Cine Morro é uma ação conjunta dos Amigos do Morro e da Cellula Audiovisual, com o propósito de disseminar a efervescência cultural de jovens e veteranos que ficam longe de grandes verbas para executar suas idéias, e transformam isto de forma simples em arte pura, numa mescla do que vemos, ouvimos e sentimos. Singela arte, que quando nasce é como se fosse uma reverberação em cada universo de uma coisa que ecoou.

CA de comunicação e coletivos movimentam audiovisual na universidade federal do mato!

15 de junho de 2010

David Lynch é bizarro, estranho. Anda na contramão do cinema hollywoodiano, não,ele corre na contramão. Diz uma lenda que o diretor tem um útero na estante da sala, como assim? O que surpreende as vezes é exatamente a falta de surpresa nas reações daqueles que já assistiram a pelo menos um filme do autor, que trabalha no limite da do real e do sonho, tornando quase sempre impossível identificar de que lado a narrativa se encontra. Cidade dos Sonhos é um filme em que Lynch mostra uma historia de amor, com suspense é claro, suspense do bom, herdado do Hitchcock . Sua cronologia salienta o olhar nada comum do diretor sobre o cinema, revelando um conceito muito presente em toda sua obra, a dicotomia entre a sétima arte e a realidade, no caso uma realidade surreal.

Mas pra que continuar escrevendo sobre Lynch ou sua filmografia se a experiência de ler esse texto não poderá, é claro, se comparar a de ver Cidade dos Sonhos, Estrada Perdida, Eraserhead, Duna …. faremos então uma proposta. Cidade dos Sonhos. Na quinta, sala Névio lotufo no cineclube coxipones na UFMT, as 18:30. A exibição que é organizada pelo Centro Acadêmico de Comunicação Social da UFMT em parceria com o Núcleo Cellula, Porrolho, Oficina K7, coletivo Juntos Somos Fortes, terá a estudante Juliana Segóvia como provocadora, o que não deve impedir a horizontalidade do debate após o término do filme.

Fica o convite para conhecer o cinema alternativo Lynchiano.
Diga então você, até onde a realidade é real?

Convite Cinéfila – Balada Cinematográfica da Cena.

9 de junho de 2010

Cinema para fumantes, cafeinólatras e compulsivos em geral.

A cinefilia é o gosto pelo cinema e o interesse demonstrado por tudo aquilo que se relaciona com a sétima arte. Quem se interessa pelo cinema é considerado cinéfilo ou no nosso caso, Cinéfila.

A Cinéfila veio para lembrar a classe colonizada de que ainda é possível assistir filmes em centros culturais e Cine Clubes, preservar a cultura do cinema de calçada por causa histórica e sentimental, e ainda unir o entretenimento à arte, fazendo a junção do Cine-Café-Bar e Discotecagem, numa programação que se define como uma mistura de artes visuais, experimentos, música, dança, e acaso.

Exibiremos a partir das 21h dois curtas, um deles de origem francesa, “Mei Ling” da diretora Stephanie Lansaque & Francois Leroy é uma animação que conta a história da Mei Ling, uma jovem chinesa ociosa, mora sozinha em seu apartamento, a espera do seu amor. Um dia, ela acha um pequeno polvo na pia da cozinha. Ela decide adotá-lo para evitar o tédio. Mas o polvo vai crescendo…

O segundo curta será “Logorama” (made in USA), Uma perseguição espetacular de carros, uma intensa situação de reféns, animais selvagens enlouquecendo a cidade. Tudo isso e muito mais é apenas um pano de fundo para mostrar como as logomarcas se tornaram parte de nossas vidas.  Com a direção de François Alaux,  Herve de Crecy, Ludovic Houplain foi premiado no Festival de Cinema de Cannes, onde recebeu o premio de melhor curta.


Logo após, passaremos o longa “A single Man” (“Direito e Amar”) do diretor Tom Ford (leia aqui a resenha na íntegra escrita pelo Thales do Cellula)

Lembrando que a sessão começa com a apresentação de um curta autoral realizado em Cuiabá a escolha do público. E logo após a mostra começa balada com os Dj’s em cartaz!

Então é isso, anotem aí, $6,00 dia 11.06 às 21h na Casa Fora do Eixo.
cadastre-se na lista amiga. www.casaforadoeixo.com.br

Assistam os trailers dos filmes, são muito bons.

Colapso Narciso dissipando conceitos na IFMT.

19 de maio de 2010

A busca incessante insaciável insólita do núcleo Cellula por maturidade, nos levou ao IFMT ontem. Por entendermos que tal maturidade só pode ser alcançada através de experiência e da troca dela, fizemos junto ao Grêmio Estudantil Nilo Peçanha uma curta seção de curtas, para saber o que os estudantes da instituição tinham para nos acrescentar.

O começo foi um tanto desanimador, pouco mais de 30 alunos. Mais assim que Colapso Narciso foi exibido e uma parte do publico se retirou, nos podemos trocar idéias, literalmente, com a galera. Falando psicodelicamente, para que se entenda as reações e impressões que o curta causa, eles viajaram, como se a bordo do foguete de Plunct, Plact ou de Zum depois de receber o carimbo do carimbador maluco, queriam saber como fizemos o filme e entenderam a essência da coisa, descobriram que o lance é dissipar conceitos, beirando a filosofia punk do “do it yourself” e visualizando que “do it together”a utopia se torna possível.

Só fui embora por causa da correria alienante do cotidiano, que me limitava com o tempo, mais feliz por saber que células estão nascendo e que essas mostras de produções autorais de curtas e vídeos darão um gás para a cena audiovisual hellcityana. É, a nossa doença ainda vai se espalhar.


post by:
@FelippyDamian roteirista e produtor do @cellulanucleo

Mostra CineNoMorro nesse Sábado!

30 de abril de 2010

A mostra CineNoMorro dessa vez exibirá um filme indédito aos cinemas Brasileiros, legendado pelo núcleo Cellula, antecipamos a estréia para o público que aprecia um bom gosto da sétima arte.
A atração da sessão CineNoMorro do primeiro dia de Maio, conta com a comovente história de amor do diretor americano Nicholas Jasenovec, com o filme “Paper Heart”.

“Paper Heart” é um Pseudo-Documentário Dirigido por Nicholas Jasenovec que conta a história de Charlyne Yi, vivida pela própria Charlyne Yi que não entende o amor. Nunca o sentiu, nunca o compreendeu e nunca sentiu falta de ter algo assim, mas o que era desnecessário e desinteressante para Charlyne, é motivo de uma viajem pela América em busca do significado do amor para Jasenovec.

Passando por vários cantos da América, o documentário é recheado de depoimentos de pessoas simples que narram com delicadeza e a descoberta do verdadeiro amor em suas vidas, e é entre depoimentos e viagens de Van que Charlyne conhece Michael Cera, ator que no filme, faz papel dele mesmo, assim como Charlyne, e acaba se apaixonando pela menina, e tentando de todas as formas conquistá-la visto que ela, não entende o amor.

Paper Heart é como seu título, delicado como papel, simples, direto e apaixonante.

Curta Metragem “Solidão”

Com o roteiro, a edição e filmagem feita por Ciro MacCord, o curta-metragem Solidão é basicamente a fala de alguém solitário. A visão de mundo de alguém sozinho. É mais que lindo, é tocante.
A filmagem é simples, mas é um pedaço de um sorriso, a mão no cabelo, os pombos bebericando nas poças d’água. Tudo tão simples e tão único. Tudo se interagindo lá fora e ele falando sobre solidão lá dentro.

Não sabe o que fazer no sabadão a tarde? Vale muito a pena ir conferir esses dois filmes no Museu do Morro da Caixa d`água Velha a entrada é inteiramente gratuita e a sessão começa às 15 horas, não perca!

Semana de coisas urgentíssimas.

9 de abril de 2010

Foto frame Cena 06 – ‘Sala de Aula’

Oh my god, quantos Chicós!?! rs.
Foto tirada de um frame da cena 06 – ‘Sala de aula‘, o professor aplica prova para os alunos. Uma das mais trabalhosas segundo o Maurício.

Falando nisso, já temos 10 minutos editados do filme! Faltam apenas as duas últimas cenas pra terminar de montar. Depois é só o acabamento. Tratamento de imagem e trilha sonora. Inclusive, já temos nossos compositores, são eles Caio Mattoso, Bruno Bottega (volume) e Estela Ceregatti (grupo Urutau) . Gravaremos a trilha em parceria com o Estúdio Cubo de gravação, lá na Casa Fora do Eixo semana que vem. Que a propósito, sediará o lançamento do filme também. No dia 08 de maio. Cara, eu fiquei uns 5 dias sem escrever aqui resolvendo coisas urgentíssimas para grupos parceiros, e já não sei nem por onde começar contar as coisas bacanas que estão fluindo. As vezes pode ficar meio complexo de tanta informação de uma vez só. Mas enfim, é massa contar novidades assim uma atrás da outra e continuar contando e contando… Tipo isso, de que na semana do dia 12 já iniciaremos o “Cineminha no Bairro” um projeto do Cellula de mostras de vídeo e filmes itinerantes em bairros descentralizados. A primeira sessão será do bairro São João Del Rey, em parceria com a CUFA – Central Unica das Favelas. Logo mais trago mais detalhes sobre isso. Agora quero falar sobre o lançamento do filme aquele do dia 08 de Maio. A gente vem refletindo sobre há um tempo, e agora é hora para agir.  O ponto é que idealizamos uma feira multicultural de 12h contínuas, uma programação ininterrupta de coisas rolando ao mesmo tempo. Assim, o mote do evento é a interatividade e intervenção de linguagens. Ou seja, um dia de gastronomia, com torneio de games, customização com o público, oficinas, debates, projeções, shows, discotecagem, bar, fotografia, e muito mais. Tudo para interagir com as pessoas que circularem por ali. Não vou entrar em detalhes, pois terminaremos a programação nessa semana Quarta-feira às 19h lá na Casa que sediará essa pluralidade de etnia, e estereótipos expressivos.

Projetos futuros já estão ficando cada vez mais claros pro núcleo.
Mas vou contando os aos pouquinhos que é mais gostoso.

post by: Giulia Medeiros @cajulina

Saldo positivo das mostras Cine Grito.

24 de fevereiro de 2010

 

Venho hoje aqui, disponibilizar pra galera a pós produção das sessões que ocuparam o espaço Cine Clube da Casa Fora do Eixo, foram 6 intensos dias do festival Grito Rock Cuiabá. Sim, não é pouca coisa. E agora que engatamos num ritmo bom de produção, me leva a crer que vem muita, muita coisa pela frente.

Assim foi, e os dados da planilha de pós produção são realmente compensadores, afinal fizemos um montante de 34 horas de sessões, exibindo um total 70 curtas e médias metragens dos mais conceituados trabalhos independentes do Brasil e do mundo, e também produções autorais do estado e do coletivo do qual faço parte. Aglutinamos cerca de 200 pessoas de fluxo por dia! A oportunidade de trocar contatos e de aproximação com o público por meio desse trabalho abriu ao Cellula a mente para vários lastros de rede para nos conectar.

Bom, por enquanto é só pessoal,
Hoje a reunião de planejamento do Cellula foi bem produtiva, logo menos posto as novidades do núcleo. Ah, estamos trabalhando na manutenção do blog, para fazer um layoutinho mais funcional pra gente disponibilizar nosso conteúdo pra geral.

Agora, clique aqui e confira na planilha de pós a programação das mostras completinha e detalhada com duração, diretores e países de cada filme exibido durante os 6 dias do festival Grito Rock!

Mudança de Plano

13 de fevereiro de 2010

Nem a loira gostosa da previsão do tempo nem mesmo São Pedro poderiam prever a calamidade pluviométrica cuiabana dessa madrugada, estávamos no Grito do Rock e parece que os Deuses do Metal derramaram seu suor sobre nossa baixada a noite inteira. Pior que isso foram as consequências e não estou falando de acordar remando com minha cama-canoa descendo a Presidente Marques. Pior que isso, nosso tão querido Museu do Morro da Caixa d’água velha amanheceu com água até no pescoço, olha que lá nem tem pescoço.

Pra resumir, o final da Ópera é a seguinte, tivemos que mudar o local da tão esperada Primeira mostra do grupo Céllula que aconteceria lá. Pois é, agora quem estiver a fim de assistir o melhor do filme independente vai ter que ir pro Espaço Cubo, que fica na Avenida Presidente Marques número 240, próximo ao Liceu Cuiabano.

Mas podem ficar tranqüilos, a gente já conseguiu uns patrocínios de bóias de braço personalizadas do Mickey e pipoca. Agora só falta a sua presença.

É HOJE!

12 de fevereiro de 2010

Sem mais delongas. Chegou o dia da primeira ação Cellular de muitas que virão, confira os curtas que exibiremos no espaço Cine Clube da Casa Fora do Eixo durante o carnaval; Então é isso, que venha a 8ª edição do Grito Rock Cuiabá!

PS: Os 50 primeiros gatinhos e gatinhas não pagam. Te vejo lá. =]

Projetando células no Grito Rock Cuiabá.

11 de fevereiro de 2010

A programação do Grito conta com exatas 48 bandas, 40 horas de show e 08 bandas por dia, iniciando os shows às 21h00 lá na Casa Fora do Eixo. A novidade da vez é que a equipe do Cellula em parceria com o Cine Cubo fará projeções de curtas metragens no palco no intervalo de cada banda, assim como em algumas edições anteriores a Próxima Cena o fazia, incluindo o audiovisual na programação e fazendo assim aquele bom e velho misturado, agregando mais um segmento artístico pra dar ainda mais cor ao nosso carnaval from hell.

Não é a toa que uma das mais aguardadas edições do Grito Rock no Brasil é a de a Cuiabá.  Afinal, uma idéia que brotou da cabeça Espaço Cubo8 anos atrás, hoje já tomou proporções imensuráveis, tratando de uma das maiores ações em rede já vistas por essas terras. Nota-se a humildes olhos , o que o maior festival integrado da América latina já consegue atingir e movimentar gente estimulada trabalhando em conjunto, assim como a construção imprescindível do alicerce que serviu de base forte para as bandas se interarem das tendências e hoje virarem capazes de ser protagonistas da sua própria história, buscando alternativas solidárias de sustentação, se auto gerindo e se guiando pelas suas própias pernas por meio do seu trabalho árduo. E pra nós, meros produtores/artistas mortais que fazemos parte desse mercado crescente, é uma honra participar desse processo marcante pro desenvolvimento disso tudo.

É bonito de se ver como funcionou na música, e é absorvendo modelos de gestão que já deram certo que o Cellula procura trabalhar para emplacar o audiovisual no cenário.

O evento contará com feirinha mix de produtos, a entrada custa apenas R$8,00 na portaria lembrando que aceita-se Cubo Card. A Nova Casa Fora do Eixo fica situada na Rua Mal Floriano Peixoto, nº 527, logo atrás do Gerônimo, no antigo Sukatta Pub.